Joana Silva: “Pole Dance é para todos… É para quem gosta”

5c

Entre a barulheira da criançada que por ali brincava e a ventania repentina que se fazia sentir, sentadas num banco de jardim, conversávamos sobre Pole Dance. Encolhida dentro do seu casaco de ganga, como quem se defende do vento, Joana Silva não conseguia esconder o deslumbramento que sente por esta dança e pela sua profissão, às quais tanto se tem dedicado e muito a “preenchem”. Os olhos brilhavam.

Pole dancer e instrutora de Pole Dance, desde 2008, Joana Silva diz que, ao longo dos anos, a dança tem sido alvo de grande desenvolvimento, tanto a nível técnico, como de estilo. “Dentro do Pole Dance não há apenas aquele estilo sensual, que é o mais conhecido, existem muitos outros”, explica.

E continua: “Gosto de o definir como uma dança com uma componente técnica muito grande, onde se utiliza o varão para executar acrobacias ou para dançar. Tal como qualquer outra dança, é uma forma de expressão.”

Ouvindo isto, tive de perguntar-lhe se considera que o estigma inicialmente existente em torno do Pole Dance – apenas associado à sensualidade, ao erotismo, aos bares de strip, entre outros – já foi ultrapassado. Joana responde que não!

“Ainda existe, tanto em Portugal como em outros países desenvolvidos, e vai continuar durante muitos anos. No fundo, este estereótipo existe por falta de conhecimento, porque as pessoas continuam muito vinculadas à ideia de que o Pole Dance veio dos strip clubs. Efetivamente, faz parte da história em termos de evolução da dança, que é já muito mais que isso. Existem inúmeros estilos”, explica.

Para combater esta ideia, a comunidade de Pole Dance tem vindo a organizar e a desenvolver projetos – desde competições, espectáculos e exposição nos media – com o objetivo de dar a conhecer e de explicar a dança à população.

Em Portugal, o Pole Dance tem “vindo a desenvolver-se muito bem”. Há cada vez mais escolas e pessoas a praticar. Realizou-se, durante três anos, um Espetáculo Nacional de Pole Dance, criado por Joana Silva e outra pessoa, e foi criada, recentemente, a Associação Portuguesa de Varão Desportivo.

Força, flexibilidade, treino e dedicação

Acrobata desde criança, aparentemente franzina e delicada, 37 anos, nas suas performances Joana demonstra ter a “força de mil homens” para se manter pendurada no varão, enquanto dança ou executa acrobacias, tal como uma flexibilidade indiscutível. Sem tremer. Sem aparente dificuldade. Como quem flutua.

Como professora e apaixonada que é por este estilo de dança, Joana afirma que, mesmo não sendo fácil, o Pole Dance pode ser praticado por qualquer pessoa, de ambos os sexos, de qualquer idade e com qualquer tipo de corpo. Basta que goste, que treine e que se dedique.

1c“A evolução depende de cada um, do background que possa ou não ter, do número de dias que treina, da dedicação e da capacidade de aprendizagem, que não é igual em ninguém. Não existe uma fórmula”, diz a bailarina.

E acrescenta: “É um pouco mais exigente que outra dança, porque tem uma componente técnica que requer mais força e mais flexibilidade, mas tudo é possível.”

Como qualquer outro estilo ou outra atividade física, também o Pole Dance traz inúmeros benefícios para a saúde. A nível físico trabalha muito os membros superiores e o core. Contudo, obviamente que são também usadas as pernas e que os resultados são visíveis.

Joana Silva considera que as mais-valias desta dança são ainda maiores e mais visíveis quando falamos em termos psicológicos. “À medida que vão conseguindo conquistar cada desafio, cada novo movimento e acrobacia, as pessoas sentem cada vez mais autossatisfação, autoestima e autoconfiança, o que traz muitos benefícios a nível pessoal e emocional”, menciona.

E explica que, em todas as aulas, durante o aquecimento, são feitos exercícios de condição física, que envolve treino de força, alongamentos, coordenação, treino respiratório, entre outros.

As aulas em si têm uma componente de condição física para preparar os alunos para a técnica do varão. No entanto, existe também uma aula específica só para condição física para o Pole Dance.

A história de Joana
“Experimentei uma aula. Apaixonei-me, mantive-me e dediquei-me”

Histórias – Qual o espaço que o Pole Dance ocupa na tua vida?
Joana – Neste momento, é quase total. Tenho outras profissões, sou maquilhadora, fisioterapeuta e estudei Osteopatia. Contudo, estou dedicada, praticamente a 100%, à instrução de Pole Dance, tanto em Portugal, como no estrangeiro. Sou, cada vez mais, requisitada para ensinar lá fora.

7c

A nível pessoal, enquanto pole dancer, também despendo de muito tempo, porque estou no ativo e em competições. Ou seja, treino três horas por dia, tenho dois de descanso, e dou aulas, o que implica também um trabalho de organização, preparação e planeamento. Tenho os dias bem ocupados!

Histórias – Fala-nos um pouco do teu percurso profissional enquanto bailarina e ginasta.
Joana – Sempre fui um bicho irrequieto! Gosto de me mexer, de tudo o que é prático e envolva o corpo. Comecei por fazer ginástica acrobática e fui atleta de alta competição, durante seis anos. Depois, decidi parar porque, na altura, entre estudar e treinar não tinha vida pessoal.

Senti falta de me mexer e resolvi ir dançar. Comecei a fazer vários estilos de Street Dance, entre Break Dance, New Style e House Dance. Gostava e fazia um pouco de tudo.

Sempre tive curiosidade em experimentar Pole Dance, porque vi o filme “Striptease”, com a Demi Moore, que ficou gravado na minha cabeça. Na altura, era nova e não fui logo fazer uma aula, nem creio que houvesse. Quando achei que era a altura certa, fui. Tinha 27 anos. Foi paixão à primeira vista, porque combinava as duas componentes que eu já gostava muito – a acrobática e a dança. Acabei por ir deixando tudo e por me dedicar ao Pole Dance.

Histórias – Foste campeã nacional de ginástica acrobática?
Joana – Sim, quase todos os anos! E fui selecionada para campeonatos da Europa e do mundo. Fiz parte da Federação Portuguesa de Trampolins e Desportos Acrobáticos e da selecção nacional.

Histórias – Também participas em competições internacionais de Pole Dance. Tens de te preparar muito?
 Joana – Sim. Não só a nível físico, como também psicológico e conceptual. O físico exige muitas horas de treino. O psicológico, porque no fundo trata-se de uma “batalha” e, acima de tudo, temos de ser fortes. É preciso abdicar de muita coisa, de muito tempo, de vida pessoal.

A nível de competição, nenhum desporto é fácil. É muito exigente, quando achamos que não dá mais, somos obrigados a levar o nosso corpo ao limite. É preciso estar psicologicamente preparado.

Em termos conceptuais já entra um pouco naquele que é o meu estilo e ao qual me estou a dedicar dentro do Pole Dance. Estou a desenvolver um estilo mais experimental e conceptual.

Quando crio uma performance para apresentar numa competição parto de um conceito, de uma ideia, de um sentimento. Tal como pintar um quadro. Há sempre uma intenção por trás. E para chegar a um conceito forte, que me diga algo e que eu queira expressar, preciso de fazer muita pesquisa.

História – Como é que tudo isto aconteceu na tua vida? O que querias ser quando crescesses?
Joana – Quando era criança não dizia que queria ser Pole Dancer! Curiosamente, queria ser botânica!

Mais tarde, quando andava na ginástica lesionei-me, fui tratada por um fisioterapeuta, gostei do seu trabalho e resolvi estudar Fisioterapia. Nunca pensei ser pole dancer e, muito menos, instrutora. Foi um processo muito natural! Fui experimentar, apaixonei-me, mantive-me e dediquei-me. Depois recebi um convite para dar aulas…

Hoje em dia, depois de ter estudado tanta coisa, acho que esta é mesmo a minha vocação! Adoro ensinar e descobri isso por acaso, ao dar aulas. Já sou instrutora há 10 anos e continuo a sentir-me realizada. Enquanto pole dancer também continuo a adorar. Preenche-me.

Histórias – Projetos futuros?
Joana – Quero participar em outra competição – estou na fase da elaboração do conceito – e continuar a dar aulas a nível nacional e internacional. Ter um pé em Portugal e outro lá fora.

Estou também a desenvolver um curso para instrutores de Pole Dance. Quero passar aquilo que sei e que desenvolvi ao longo de 10 anos a outros instrutores. Já comecei no Egipto, mas é um projeto que estou ainda a desenvolver.

 

 Vê aqui o conceito desta apresentação e o que levou Joana Silva a construí-lo e desenvolvê-lo

 

Joana Silva começa a dar aulas, já este mês, no Clube Ferroviário, em Lisboa. Para mais informações, contactar joannasilvaa@hotmail.com.

“Histórias de Encantar… ou não” vai sortear uma aula de Pole Dance, com a Joana, que se irá realizar dia 10 de setembro, pelas 18h30. Sabe mais aqui.

 

Fotografias de Pedro Silva

3 pensamentos sobre “Joana Silva: “Pole Dance é para todos… É para quem gosta”

  1. Pingback: A minha primeira aula de Pole Dance – Histórias de encantar… ou não

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s