“Viajar é mudar a roupa da alma”

dormir

“Viajar é mudar a roupa da alma”, já o dizia Mário Quintana e eu não podia concordar mais com ele. Recentemente, estive no Sudeste Asiático, onde durante uma aventureira, divertida e muito corrida viagem, de quase três semanas, vivi experiências maravilhosas.

Momentos únicos que me permitiram conhecer novas culturas, paisagens, cheiros e, sobretudo, diferentes formas de viver e de estar na vida… Assim voltei a ver o mundo pelos olhos de uma criança. Mas cresci!

Enquanto apreciava uma das belas vistas de Hong Kong, a nossa primeira paragem, adormeci num canteiro artificial, entre a beleza e a enorme agitação da cidade. O Jet Lag é lixado e, vá, para quem gosta de dormir, qualquer desculpa serve.

IMG_9358

Em Macau, senti-me em casa. Gostei de passear sobre a nossa tão bonita calçada portuguesa e de ver que a Língua e a cultura portuguesas ainda se mantêm do outro lado do mundo. Os já poucos portugueses/macaenses gostam de nos ver, de conversar, de nos orientar e dar dicas. Dos “supostos” pasteis de nata, já não posso falar tão bem!

O Vietname é brutal! Em Hoi An, durante um passeio de barco à noite pedi um desejo e pus uma velinha no rio, com a ajuda de um menino que a ia reacendendo, cada vez que se apagava e que eu fazia um “ohhh”! Andei de mota a três, comi coisas deliciosas e fiz quase tudo aquilo que os Srs Drs. da consulta do viajante disseram que não se podia fazer! Que se lixe, importante é viver!

Em Hanói, a capital, rezei cada vez que precisei atravessar a rua. Só quem passou pelo mesmo vai compreender. E fiquei muito surpreendida, pelo modo de vida daquelas pessoas, pela falta de condições, de espaço, de higiene… Em suma, pela luta pela sobrevivência.

Porém, terminámos a última noite desta nossa estadia a dançar na rua, que obviamente adorámos, e, já de dia, horas antes de partirmos, enfrentámos uma fila de pessoas que queriam tirar fotografias connosco! Foi só insólito e muito engraçado! Depois  disso, bebi um delicioso sumo natural que veio acompanhado de  uma nota: “Hanói loves you”! Com tudo isto, senti-me uma estrela e obviamente que também gosto de Hanói. Ah, os templos, pagodes e afins são lindos, claro está!

Em Cat Ba e Ha Long Bay vi paisagens fantásticas, fiz Kaiake, subi ao pico de montanhas e, ainda, mandei um “espetacular” mergulho de cima do barco, que me lixou os ouvidos!

Passámos a noite num bungalow na Ilha dos Macacos, onde não conseguimos ver nem um. Vá-se lá entender! Mas tivemos o privilégio de “dormir” com um ser que, mais tarde, viemos a saber ser um reptil. Mesmo sem nunca o termos visto – tal como aos macacos -, conseguimos ouvi-lo e perceber que estava bem perto de nós. Fazia um som estranho, como quem se riu alto durante toda a noite!!! Tivemos ainda a companhia de uma espécie de tarântula!

Luang Prabang, em Laos, foi o ponto alto, e o local onde estivemos mais tempo. A paz reina ali e eu pude senti-la. Em Laos ficámos a saber mais sobre Budismo, assistimos à cerimónia das almas, às 5h30 da manhã – isso mesmo não me enganei -, onde a população se junta para dar comida aos monges, que por sua vez a dividem com aqueles que mais precisam.

Logo de seguida, fizemos um lindo passeio de barco, em que dormi durante toda a viagem. As paisagens eram maravilhosas, não tenho dúvida!

Tivemos numa experiência fantástica, onde interagimos e nadámos com os elefantes, que para mim foi fenomenal e me deixou de coração cheio. Sentimentos que voltaram a sobressair durante a visita à Hmong Village, em que pudemos brincar com as crianças e sentir a sua alegria tão genuína. Além disso, ainda tivemos o privilégio de ficar a saber toda a vida do nosso tão simpático guia, que nos disse coisas como “I’m a playboy” ou “I have a dream…” .

Nadámos nas limpas e azuis águas da Kuang Si Waterfall, uma paisagem de sonho. E como não há impossíveis, ficámos amigas de um monge com quem passeámos e conversámos horas a fio durante a noite… Nunca imaginei que pudesse acontecer! Quem sabe um dia volte!…

A experiência terminou em Bangkok, na Tailândia, onde fomos apanhar o avião para a Europa, mas aproveitámos para passar uma noite e um dia. Desta não posso falar muito… apenas dizer que começou com uma atribulada viagem de comboio até ao hotel, em que uma senhora, que apenas falava tailandês, passou todo o tempo a levantar e a baixar a minha pesada mochila e a insistir para eu digitar o meu número no seu telemóvel. Como não teve sucesso deu-me um papel com os seus contactos!

img_0268

Fiquei surpreendida com a noite desta cidade. Prostituição, muitos shows de sexo, pessoas que se ameaçam e que se enganam. A contrastar, os templos são lindíssimos, sem dúvida dos mais bonitos que já vi!

Curiosamente, esta experiência fantástica acabou no meu dia de aniversário que, pela primeira vez, durou 30 horas! Iniciei o dia em Bangkok e terminei-o em Lisboa, cuja diferença horária são de seis horas!

Não menos importante para o sucesso desta aventura, muito pelo contrário, foi a minha companheira de viagem que, apesar de não ser muito dada à bicharada, esteve sempre apostos para o que desse e visse. Uma verdadeira companheira de viagem/aventura!

Nota: Este texto foi feito com base em outro que escrevi assim que regressei. Qualquer semelhança não é pura coincidência!

3 pensamentos sobre ““Viajar é mudar a roupa da alma”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s